2015-12-29

Ilhota


Se eu te quiser prender,
Não preciso te amarrar.
Apenas esperança dar,
Numa história de entreter.

Canção de embalar,
Que te encante!
Algo para se olhar,
No horizonte distante.

E hás-de cansar a vista,
E quanto menos veres;
Apelo a que se não desista,
Clamar à fé, ao creres!

E chegarás a velho e iludido.
Se houver lampejo de verdade,
Hás-de sentir-te perdido,
Perguntando o que é a realidade!




2015-12-20

O Muro


Amordaçado muro de silêncio;
Por onde pela fenda,
Espreita a alma livre,
E o musgo trepa esperançoso!

Não há silêncios no coração.
Apenas batidas inquietas,
Espreitando o azul do céu,
E sonhando ter umas asas!

Não importa do que se é feito.
Entre a carne e os sonhos,
Há um abismo perfeito,
Que gera pesadelos medonhos.

2015-11-18

Deus quer-te morto




Deus é Todo-Poderoso!
Deus quer-te morto!
Porque se não quisesse,
Se vontade Lhe desse,
Sendo assim Potente,
Ninguém morreria,
Ou ficaria sequer doente!
Era tudo e só: alegria!

Mas não sejas tolo,
O que ele quer de ti,
É por-te a fazer tijolo;
E não a andar por aí!

Era um simples, gesto seu
E nós, sim, tu e eu,
Seríamos eternos, felizes,
Seguros dos nossos narizes!
Cheirando flores,
Cultivando amores…
Um paraíso impressionante!
Mas este Deus sonante,
Deu-lhe para o torto;
E só te quer é morto!

2015-11-15

Hora morta



É uma hora morta,
Em que nada importa.
Dia cheio da hipocrisia,
Que faz a diplomacia.
Lamento as mortes inocentes,
Os pobres e os doentes.
Um mundo desigual,
Reproduzindo o mal.
Estou cansado,
E olho para o lado.
É uma hora morta,
Em que nada importa…

2015-08-16

Maldito tempo






Maldito o tempo
que nos rouba os amigos
que ainda não ouvimos por completo
Os segredos ainda por dizer
Que adivinhamos nos olhos marejados
Maldito tempo
que me rouba as tuas mãos das minhas
O copo que treme em direcção aos lábios
Porque a amizade nos soluça na garganta
Maldito tempo
Filho da puta sem mãe nem dono
Que não se importa de te calar para sempre
Ao enterrar-te fundo na minha saudade
Neste meu peito estreito
Onde de tão grande já não cabes!
Oh perdoa, perdoa velho amigo,
Que beba sem ti e repita a dose
Já que não estás, nunca mais estarás!
Maldito tempo
que demora tanto
A juntar-nos de novo...

2015-07-11

Levanta-te!



Abençoo as desgraças, assim em variedades;
Que se multiplicam em oportunidades!
Onde já não há o medo de perder,
Florescem verdades;
Que convém não esquecer.
As revoluções não são para vencer,
Neste mundo disfuncional,
Onde apenas medra o mal!

O sangue símio que em nós circula,
Todo o futuro perverte e macula!
Mas perdida a esperança de salvação,
O futuro é vazio e cheio,
Nada pelo meio,
Que se quer tudo com paixão!
Em oito ou oitenta,
E quem não vence,
É porque ou perdeu,
Ou já não tenta!
Mete nessa vida,
Bastante pimenta!
Não te arrependas de tentar!
Porque lembra-te desta grande verdade:
A vida não quer saber da tua felicidade;
Apenas está interessada em te matar!

2015-03-13

Será camarada, que a maré está a mudar?



Sinto-lhes o medo, no gesto anafado,
Quando passam o dedo pelo nó da gravata.
Sentem o pescoço apertado, sufoco que os mata.
Os cães já rosnam, ao invés de se sentar...
Será camarada que a maré está a mudar?

Arreganham retóricas com tremeliques,
Criticam a indumentária, à falta de conteúdo!
E falam grosso, juntos, alcateia em arrebiques;
Caretos, num anacrónico entrudo!
Será camarada que a maré está a mudar?

Já não gostam dos que não se vergam,
Dos que reclamam e não ajoelham!
Dos que falam em nome do povo,
Como se tudo isso, fosse novo!
Será camarada que a maré está a mudar?

Não sei, a mudança é sempre conquista!
Cada avanço a sangue, lágrimas, a suor,
Sensação de tristeza e euforia, coisa mista;
Que o grito e o punho é libertador!
Será camarada que a maré está a mudar?

Dizem que do Leste vem a mudança,
Desta austeridade louca, a bonança;
De caídos, esmagados, nos pomos de pé;
Um futuro melhor para conquistar!
Será camarada que a maré está a mudar?