2006-11-25

Fome do coração


Não há fome que não acabe saciada;
Só a fome do coração nunca é terminada!
Talvez seja assim e dizem que é feitiço!
Queria tanto não te amar, conseguir esquecer!
Mas quanto mais faço por isso,
Mais custa a tua memória a morrer!

8 comentários:

.*.Magia.*. disse...

Bom dia!

Eu acho que a memória não deve morrer...
O sabor do beijo jamais deve ser apagado...
Quem ama não esquece!

Cheers

mnemosyne disse...

E as palavras se abrem em leque deixando transparecer o que na alma permanece...

Anónimo disse...

Em primeiro lugar, queria dizer-te que gostei dos teus comentários porque obrigaram-me a reflectir. Para além disso, também me obrigam a tentar melhorar. Ainda tenho tanto a aprender... E ao ler este teu poema, percebi perfeitamente o que me queres dizer.
Vamos lá ver o que vai acontecer...

As memórias nunca se apagam. São uma espécie de impressão digital interna...

Beijo grande.

Anónimo disse...

Saciei-me na tua fome, imensa
E foi doloroso a dor instalada
Tenho que te esquecer
Tirar de mim a tua presença
E fingir que em mim não fizeste nada!!!

Não preciosas esquever os momentos que viveste, mas torná-los como boas recordações.

beijinhos

Nanna disse...

Eu sofro de uma fome assim...

Um beijo.

mitro disse...

Ana,

Muito obrigado, pelo belo poema!

tb disse...

Então deixa correr... :)
abrinhus

Nelita disse...

Não tentes...
Deixa o tempo exercer a sua magia...
bjitoooooooo