2008-02-27

O Penedo


a foto encontrei na net


Quando abres a janela ao pensamento,
Esvoaçam os pássaros!

Há um desenho na areia,
Que a maré apaga…

Cai uma chuva salgada,
Na minha face.

Há um travo amargo neste pão,
Que não sacia a fome!

E sou eu, este penedo mudo e quedo,
Que não sai do caminho.

15 comentários:

Storm disse...

escreves tão bem...
sinto que passas por um mau momento pois transportas com mestria para as palavras toda ou grande parte dessa dor. Espero que passe rápido :)
Um beijo e boa semana

Å®t Øf £övë disse...

mitro,
Não é nada bom quando nos deixamos ficar empedrenidos.
Abraço.

calminha disse...

as vezes sentimo-nos assim ,mas no fundo estamos sempre em movimento, porque a nossa vida , toca na dos outros , por isso somos todos responsaveis.obrigada por leres serenamente, mas nao quero ser virtual , apesar de ja me ter acontecido triste experiencia, agora virtualmente deixo os meus pensamentos mas nao vivo no virtual.
um beijo e boa semana

Kapikua disse...

tu és é um poeta de mão Cheia ó Mitro!

Tudo do melhor para ti!

Cris disse...

Abrir as janelas ao pensamento é deixar nascer em nós asas adormecidas... :)

Beijinho

sonjita disse...

Se sentes a chuva na face e o travo amargo do pão é porque apesar de mudo e quedo ainda sentes... então nunca um penedo :)
Gostei do poema
bjs

Doce de Chocolate disse...

Have a nice day!!!
Bjos axocolatados

mixtu disse...

a arredar o caminho

abrazo serrano

Storm disse...

Como estás?
Há muito que não escreves...
beijo

Bruxinhachellot disse...

Um penedo mudo. Imut�vel. S� a chuva e o vento s�o capazes de o transformar.

Beijos de Sol e de Lua.

Storm disse...

Passei para desejar uma excelente semana :)
beijo

nuvem disse...

Por vezes sentimo-nos mesmo assim...

Beijo

Joana Dalila Santos disse...

Espero que essa sensação passe rápido.
Beijo

Maria Lucia disse...

Lindo o teu poema, parabéns.
Escrever poemas para mim é externar tudo o que vem da alma explosiva e estupidamente como as larvas de um vulcão.
Obrigada por ter visitado o meu blog.
beijinhos Maria Lúcia

Porcelain Doll disse...

Quando abres a janela do pensamento, uma tormenta se apronta ao teu redor... mas os penedos mudos e quedos, resistem às tormentas com uma bravura e quietude que qualquer outra entidade, debatendo-se, não consegue... e depois da tormenta o desenho na areia já não existe... mas o penedo que não saiu do caminho, continua naquele que é o seu caminho...

A questão talvez não seja do pão... mas da fome que é insaciável... (mas se a fome, por mais insaciável, foi feita para ser saciada...)