2008-09-26

Água Parada


a foto veio daqui

Jardins queimados
Florestas de cinzas
Pedras abandonadas
Nas beiras dos caminhos

Jardim de pedras
Espalhadas por aí
Deixadas cair
Ou atiradas

Flores a morrer
Em poemas por dizer
E chove nesta luz de Abril
Esta nuvem negra e vil!

Tudo é vento
Tudo é nada
Resto de alento
Água parada



P.S.: Este poema estava para ir pró lixo...

33 comentários:

Frioleiras disse...

gosto de lagos... muito

serão água paradas?

tb disse...

ainda bem que n foi
:)
abrinhus

Fénix disse...

Ainda bem que não foi para o lixo.

korrosiva disse...

Há que agitar as águas, ás vezes é preciso uma pedrada no charco! ;)

Obrigado pela visita aos meus blogs :)

cassamia disse...

ia dizer: ainda bem que não foi..
assustou-me um pouco a imagem da água parada, eu que sou marujo, tenho medo de águas paradas...
obrigada pela tua visita numa das minhas cassas :)

Emanuela disse...

Poemas jamais devem ir para o lixo... Se não dizem a uns, dizem a outros. é preciso acreditar no sentimento do momento. E este poema diz muito. Beijinhos

Å®t Øf £övë disse...

Mitro,
Este poema é tão bonito, e tu dizes que estava para ir para o lixo!!!
O que devia ir para o lixo são as pedras atiradas, que é o que infelizmente a maioria dos seres humanos gostam de fazer uns aos outros.
Abraço.

Firefly disse...

Este poema está lindo.

Dois Rios disse...

Oi, Mitro,

Que bom recebe-lo no Dois Rios! Só assim pude conhecer o seu blog e as suas belas poesias.

Voltarei sempre!

Um beijo,
Inês

Erotic Spirit disse...

Beautiful complex poem... just like grey days with a beauty that needs to be looked for because even sad can be pretty

:) kisses

Ilton Santana disse...

lindo o poema (ainda bem que não foi para o lixo),
talvez já aprendestes que poemas têm tempos e estações como nós... em certos dias eles são nada e nada dizem, em outros...

vi seu link no Three Love´s e gostei muito de te descobrir.

Three Love´s disse...

Olha só que cara espero, o Ilton viu seu link no meu blog e chegou aqui primeiro que eu.

Cara, concordo com ele,
é muiiiiito bom seu blog, esse poema é show, fiquei olhando seus outros post´s e amei; muito bom mesmo;

parabéns!

Mª Teresa Antunes disse...

Não se deve desperdiçar arte! Há que reciclar. :P

DESIRE disse...

Para ir para o lixo!!!!!!!!!!!!!!!
Mas, é lindo!
Ainda bem que se salvou!!!
Beijos prometidos

pentelho real disse...

para o lixo!?

ias arrepender-te. já me tem acontecido...

Red Angel disse...

Escreves um poema???? Sem papel nem tinta?????
Fiquei curiosa...

E o lixo não era o local ideal para as palavras que li...

Beijo

Pearl disse...

Muito obrigada pela visita ao meu mundo vim retribuir e dei com um poema que esteve para ir para o lixo e ainda bem que não foi!

beijo

sonjita disse...

Ainda bem que foste a tempo... era uma pena deixares de o partilhar!!!!

BJs

» NaY « disse...

Olá, Mitro!
Obrigada por ter visitado o Janela e Vitrine.
Sabe, enquanto lia o poema só o que eu conseguia imaginar eram cidades, concretos, fumaça, jardins sem plantas... Triste! =/

Xerus
=***

Fernando Santos (Chana) disse...

Caro amigo, belo poema...
Um abraço

NAELA disse...

Simplesmente sublime, poema que veste este sentir como uma caricia autentica!
Beijo doce

cõllybry disse...

Tudo é um pouco de tudo...Belo poema.

Beijito

cõllybry disse...

Tudo é um pouco de tudo...Belo poema.

Beijito

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Um poema tão lindo. como pensou em lançá-lo ao lixo?
Você foi ao meu Blog e gostou da dica de cinema.
Fiz um post à paz, em que há resenha de filme, poemas, flores, imagens. Apareça:
wwwrenatacordeiro.blogspot.com
Um abraço,
Renata Cordeiro

Mac Adame disse...

Então ainda bem que não foi.

FINA FLOR disse...

gosto mais das marés, sempre em movimento :o)

beijos e obrigada por sua gentil visita, dear, volte sempre que quiser

MM.

JDS disse...

Prefiro remoinhos de água! E poemas sem serem deitados ao lixo =P

Storm disse...

Ainda bem que não foi :))
encanta-nos com mais assim...
beijo

JoAnInHa disse...

ainda bem que nao foi p o lixo, esta mt bom...obg pela partilha lol beijos

Olhos de mel disse...

Oie meu amigo lindo! Bela e triste poesia!
Eu queria que o Natal voltasse a ter seu verdadeiro sentido, porque o apelo do comércio transformou-o, apenas, em troca de presentes e assim perpetua e acentua ainda mais a discriminação social, porque é um dia imensamente triste para crianças pobres, que não podem ter papai noel, nem uma ceia digna.
FELIZ NATAL e que o ANO NOVO seja de realizações, paz, saúde e amor!
Beijos

Gabriella disse...

Ufa...

ainda bem que não foi!

Poema bonito e intrigante!

Valeu pelo pulinho no Perspectiva!

Feliz ano novo!!!

Abs

Porcelain Doll disse...

Cinzas e pedras... e águas paradas... a ausência de vida... a chuva faz falta, assim como a nuvem negra, para que a vida possa ser renovada...

Agradam-me os ventos... indiciam mudança... mas não me agrada o nada... assusta-me o nada... assustam-me as águas paradas...

Talvez esteja em tempo de lhes fazer frente...

Å®t Øf £övë disse...

Ops... às vezes tropeço e venho aqui parar...

:)

Abraço.